Em um processo seletivo, dois critérios principais são levados em conta pelos recrutadores na hora de avaliar o perfil dos candidatos para uma vaga de emprego. O mais utilizado e que também tem maior peso é o conhecimento técnico.

O segundo critério, por sua vez, tem a ver com o comportamento do profissional e o quanto isso vai impactar de forma positiva ou negativa em seu futuro cargo. Nem sempre ele é levado em conta na hora da contratação.

Conhecimento técnico x comportamental

Mas qual é a diferença entre as competências técnicas e as comportamentais?

O conhecimento é aquele que você ganha ao fazer um curso ou estudar por conta própria. É algo que se pode aprender ou aperfeiçoar. Em poucas palavras, é uma habilidade que você desenvolve para desempenhar uma determinada função.

Pode ser aplicada no desenvolvimento profissional e também no pessoal, para algum hobby, por exemplo.

As competências comportamentais, como o próprio nome já indica, estão relacionadas às características pessoais, levando em conta seus pontos fortes e fracos.

Aqui entram fatores importantes que podem impactar no dia a dia:

  • Capacidade de se adaptar à pressão, aos desafios e às mudanças no dia a dia corporativo;
  • Capacidade de negociação, influência e persuasão;
  • Liderança e tomada de decisões;
  • Resiliência;
  • Habilidades cognitivas, que englobam a capacidade de aprendizado.

Estes são alguns pontos que, dependendo de como impactaram no dia a dia do trabalho, levam à demissão de alguns profissionais.

Qual é o mais importante na admissão?

Ao pontuar as diferenças entre cada competência, fica mais fácil perceber que a combinação das duas é o melhor caminho para chegar ao profissional ideal.

Por mais habilidades que uma pessoa tenha para desempenhar uma função, seu perfil pode não ser o mais indicado àquela vaga. Ou, ainda, ela pode precisar desenvolver alguns quesitos antes de assumir o cargo.

Isso também não significa que o comportamento vem acima do conhecimento técnico. É importante saber lidar com a pressão em um cargo de gestão ou ter capacidade aflorada para negociações em uma equipe de vendas, por exemplo.

Mas também é essencial saber lidar bem com números e códigos para integrar uma equipe de desenvolvimento de software ou ter habilidade com as palavras e com ferramentas analíticas para trabalhar com comunicação e marketing.

A boa notícia é que tanto as habilidades técnicas quanto as comportamentais podem ser desenvolvidas.

Como aplicar os critérios no processo seletivo?

Com alguns testes e até mesmo com a ajuda de ferramentas de recrutamento e seleção, é possível avaliar todos esses aspectos durante o processo seletivo.

Para conhecer melhor o candidato, os processos seletivos podem lançar mão de:

  • Entrevista;
  • Jogos e dinâmicas em grupo;
  • Testes de personalidade;
  • Provas de conhecimentos específicos.

Assim, fica mais fácil direcionar o profissional à vaga mais compatível com seu domínio técnico e com suas características comportamentais.

Contratar as pessoas certas aumenta a retenção de talentos nas empresas e aumenta a satisfação pessoal, impactando diretamente no desempenho e na produtividade. Bom para o profissional, bom para a empresa.

A combinação de competências técnicas e comportamentais também contribui para o desenvolvimento de equipes de alta performance. E isso impacta diretamente nos resultados.